BLOG DO LÍNGUA
 
 
Página Inicial
Apresentação
Discografia
Trajetória
Disk-Língua
Família Trapo
Vídeos
Rádio Matraca
Agenda
Cont(r)atos
Cadastro


Blog
Fotoblog

Busca no Blog
 

Indique este blog
Dê uma nota

Links
Língua de Trapo
Fotoblog do Língua
Castelorama
Privadas do Mundo
Mini Blog do Big Mug
Nunca se Sábado
Rádio Matraca
Dadá Coelho
Blog do Pituco
Música & Letras
Blog genérico
Miss Grace Black
Blog do Castilho
Folha de Cima
Guca
Peças Raras
Stockadas
Cifras de músicas do Língua de Trapo
Língua de Trapo no Palco MP3
Radioriatoa - pituco
PENSAMENTOS DIVERGENTES - Ruy Fernando Barboza
A Hora do CLICK
Ana de Amsterdam

Arquivos
16/07/2011 a 31/07/2011
01/05/2011 a 15/05/2011
01/03/2011 a 15/03/2011
01/02/2011 a 15/02/2011
16/01/2011 a 31/01/2011
16/12/2010 a 31/12/2010
01/12/2010 a 15/12/2010
16/11/2010 a 30/11/2010
01/11/2010 a 15/11/2010
16/10/2010 a 31/10/2010
01/10/2010 a 15/10/2010
16/09/2010 a 30/09/2010
01/09/2010 a 15/09/2010
16/08/2010 a 31/08/2010
01/08/2010 a 15/08/2010
16/07/2010 a 31/07/2010
16/06/2010 a 30/06/2010
01/06/2010 a 15/06/2010
16/05/2010 a 31/05/2010
01/05/2010 a 15/05/2010
16/04/2010 a 30/04/2010
01/04/2010 a 15/04/2010
16/03/2010 a 31/03/2010
01/03/2010 a 15/03/2010
16/02/2010 a 28/02/2010
01/02/2010 a 15/02/2010
16/01/2010 a 31/01/2010
01/01/2010 a 15/01/2010
16/12/2009 a 31/12/2009
01/12/2009 a 15/12/2009
16/11/2009 a 30/11/2009
01/11/2009 a 15/11/2009
16/10/2009 a 31/10/2009
01/10/2009 a 15/10/2009
16/09/2009 a 30/09/2009
01/09/2009 a 15/09/2009
16/08/2009 a 31/08/2009
01/08/2009 a 15/08/2009
16/07/2009 a 31/07/2009
01/07/2009 a 15/07/2009
16/06/2009 a 30/06/2009
01/06/2009 a 15/06/2009
16/05/2009 a 31/05/2009
01/05/2009 a 15/05/2009
16/04/2009 a 30/04/2009
01/04/2009 a 15/04/2009
16/03/2009 a 31/03/2009
01/03/2009 a 15/03/2009
16/02/2009 a 28/02/2009
01/02/2009 a 15/02/2009
16/01/2009 a 31/01/2009
01/01/2009 a 15/01/2009
16/12/2008 a 31/12/2008
01/12/2008 a 15/12/2008
16/11/2008 a 30/11/2008
01/11/2008 a 15/11/2008
16/10/2008 a 31/10/2008
01/10/2008 a 15/10/2008
16/09/2008 a 30/09/2008
01/09/2008 a 15/09/2008
16/08/2008 a 31/08/2008
01/08/2008 a 15/08/2008
16/07/2008 a 31/07/2008
01/07/2008 a 15/07/2008
16/06/2008 a 30/06/2008
01/06/2008 a 15/06/2008
16/05/2008 a 31/05/2008
01/05/2008 a 15/05/2008
16/04/2008 a 30/04/2008
01/04/2008 a 15/04/2008
16/03/2008 a 31/03/2008
01/03/2008 a 15/03/2008
16/02/2008 a 29/02/2008
01/02/2008 a 15/02/2008
16/01/2008 a 31/01/2008
01/01/2008 a 15/01/2008
16/12/2007 a 31/12/2007
01/12/2007 a 15/12/2007
16/11/2007 a 30/11/2007
01/11/2007 a 15/11/2007
16/10/2007 a 31/10/2007
01/10/2007 a 15/10/2007
16/09/2007 a 30/09/2007
01/09/2007 a 15/09/2007
16/08/2007 a 31/08/2007
01/08/2007 a 15/08/2007
16/07/2007 a 31/07/2007
01/07/2007 a 15/07/2007
16/06/2007 a 30/06/2007
01/06/2007 a 15/06/2007
16/05/2007 a 31/05/2007
01/05/2007 a 15/05/2007
16/04/2007 a 30/04/2007
01/04/2007 a 15/04/2007
16/03/2007 a 31/03/2007
01/03/2007 a 15/03/2007
16/02/2007 a 28/02/2007
01/02/2007 a 15/02/2007
16/01/2007 a 31/01/2007
01/01/2007 a 15/01/2007
16/12/2006 a 31/12/2006
01/12/2006 a 15/12/2006
16/11/2006 a 30/11/2006
01/11/2006 a 15/11/2006
16/10/2006 a 31/10/2006
01/10/2006 a 15/10/2006
16/09/2006 a 30/09/2006
01/09/2006 a 15/09/2006
16/08/2006 a 31/08/2006
01/08/2006 a 15/08/2006
16/07/2006 a 31/07/2006
01/07/2006 a 15/07/2006
16/06/2006 a 30/06/2006
01/06/2006 a 15/06/2006
16/05/2006 a 31/05/2006
01/05/2006 a 15/05/2006
16/04/2006 a 30/04/2006
01/04/2006 a 15/04/2006
16/03/2006 a 31/03/2006
01/03/2006 a 15/03/2006
16/02/2006 a 28/02/2006
01/02/2006 a 15/02/2006
16/01/2006 a 31/01/2006


XML/RSS Feed
O que é isto?

leia este blog
no seu celular




UOL Blog





layout do blog
produzido por REC
 

in bossa I belive...

one note samba (a.c.jobim/newton mendonça)

*apresentação solo (violão e voz) na lexus gallery (aoyama bossa '08 festival)

*filmagem e edição por douglas doug-enérico

namaste



Escrito por Pituco às 04h59
[] [envie esta mensagem
]



o rei da bossa...

namaste



Escrito por Pituco às 04h45
[] [envie esta mensagem
]



azeitona, iterashaí !

hoje, 16h45, recebo um telefonema inesperado...azeitona (ricardo sagioratto), que dez minutos antes de embarcar, liga do aeroporto de narita, pra me dizer que está com diarréia.

medo de avião, creio, todos nós temos...movido à explosão e controlado por computadores...alguém aqui confia?

mas, pior que isso, é a tortura anti-tabagista durante o vôo...azeitona, heavy smoker inveterado, vai ter de ficar 24 horas no ar, sem os cigarros...diz ele que está munido de muitas sedas pra fumar tudo que for inflamável...rs!

bom, a gente nem se despediu direito...o pouco tempo do telefonema serviu mais pra rirmos de nossas troças do que trocarmos palavras e conforto e votos de boa viagem..rs!

sentirei muita falta do amigo, mas como amigos, desejo que essa decisão, em se ausentar do japão, sem previsão de retorno, seja a mais acertada!

boa sorte, chavon...e te cuida!  

namaste



Escrito por Pituco às 12h39
[] [envie esta mensagem
]



Ditos Malditos

Meirelles manda parar de fazer piadas sobre a crise. Mas ele não pára de fornecer material.

Escrito por C. Castelo às 11h49
[] [envie esta mensagem
]



me vóilla una donna...

estate (bruno martino)

*eu e azeitona numa canja muito bacanuda, em sua gig de despedida, no último dia 11...ouçam o contrabaixo do homi!...não é conchetta,mas continuo cantando num italiano macarrônico...rs!

*filmagem e edição by douglas doug-enérico.

namaste



Escrito por Pituco às 11h41
[] [envie esta mensagem
]



Mais um, do mesmo programa...



Escrito por A. Pest Theplague às 20h00
[] [envie esta mensagem
]



Dedo no cu

Fio Terra



Escrito por A. Pest Theplague às 01h36
[] [envie esta mensagem
]



De novo, só pra protestar...

Horário (Aquarius)
Paródia de Ayrton Mugnaini Jr.
Interpretação: Ayrton e Laert
Ano: 1997

Ouça aqui

Quando o ano
Está no décimo mês
Acontece tudo
Outra vez
A pretexto
De economizar
O relógio temos que adiantar
É o verão e a gente muda de horário
Muda de horário
Horário, horário…
O consumo de energia
Diminui em um por cento
Mas nem sei se vale a pena
O corpo fica sonolento
Me atrasa os compromissos
É demais eu não agüento esse horário
Horário
Atrase o relógio
Atrase o relógio
Que eu quero dormir
Don’t let the sunshine in
Don’t let the sunshine in
I want to sleep…



Escrito por Laert Sarrumor às 18h37
[] [envie esta mensagem
]



o pituco tá em tokyo...

*gravado e editado por douglas doug (chairman do blogenérico),no 24º do prédio da 'oracle japan',no último dia 12,logo após minha apresentação no I festival bossa 2008 aoyama,tokyo.

namaste



Escrito por Pituco às 02h59
[] [envie esta mensagem
]



 

Se até malditos cães sarnentos ressurgem do inferno, como o pastor Didini, eu também posso voltar.

I’m back, canalhada!



Escrito por A. Pest Theplague às 13h41
[] [envie esta mensagem
]



O bandalho

Na primeira vez que Caco, Silviola e Ernesto viram Mariozinho, e isso foi ainda no tempo da ditadura, ele já foi armando uma das suas brincadeiras sem graça. E em pleno ambiente corporativo.

Um dos donos da empresa passava ao lado. Então, sem nenhuma cerimônia, Mariozinho mandou:

- Muito prazer, Mário Menezes Filho, gerente de comunicação. E o senhor, quem é, o contínuo novo?

Doutor Camunha, homem ensimesmado e tímido, saiu bufando da sala com a palhaçada.

Mariozinho gargalhava, os dentes tortos surgindo arreganhadamente infames. E os outros colegas de Departamento mal sabendo o que fazer.

Uma vez, Silviola se separou da noiva com quem estava há mais de cinco anos.

Mariozinho espalhou para deus e o mundo que a causa do litígio fôra um fato insólito, que beirava o surreal.

Tudo inventado, naturalmente, por sua criativa mente.

Na versão de Mariozinho, Silviola descobrira que a noiva era transexual.

Mas, apaixonado, ele mantivera uma vida em comum, inclusive sexual, por todos aqueles anos.

Tudo seguia bem quando a mãe de Silviola resolveu fazer uma visita-surpresa ao filho.

Acabou pegando os dois meninos brincando na cama.

- …aí o Silviola teve que terminar com a Deise, que, na verdade, se chama Aurélio – explicava o fanfarrão aos colegas com a cara mais limpa do mundo.

- Cacete! É por isso que o Silviola anda tão arrasado… - reagiam uns.

- Também não é pra menos, o cara pensar que está com uma mina e, na real, estar com um mino – reagiam outros.

A verdade é que a brincadeira queimou o filme de Silviola por uns bons dois anos.

Para se recolocar no mercado, o pobre teve que ir de amigo em amigo, de mulher em mulher, de parente em parente, e explicar que aquilo não passava de uma invencionice maldosa promovida por um colega de trabalho.

Mas nem todos se convenciam imediatamente de que Deise não era Aurélio.

Foi um parto.

Ainda assim, Mariozinho não se emendava.

Um fim de tarde foram os quatro amigos tomar as cervejas de sempre no bar de sempre.

O boteco era tão pé-pra-fora que nem nome tinha. Para poder ser chamado de “sujinho”, teria que passar por umas quatro lavagens completas de esguicho, escovinha e muito sabão em pó.

E ainda possuía um agravante: ficava bem em frente ao prédio do DOPS – o temido à época Departamento de Ordem Política e Social.

Os parceiros, contudo, adoravam a temperatura do “suco de cevada” de lá e a conserva de batatinha inglesa que a mulher do dono preparava religiosamente.

Nesse dia sentaram-se bem próximo a três investigadores do DOPS - um mais mal encarado que o outro.

Os “hômi” mandavam suas biritas fechados em copas, nem entre eles parlamentavam.

Mariozinho mediu o grupo e disse aos colegas:

- Querem apostar como eu faço um investigador desses passar por besta?

Ernesto foi o primeiro a se inquietar com a proposta.

- Pô, bicho, não vai começar com essas tuas cagadas, logo com esses porras aí, isso pode dar o maior cocô, vai por mim…

- Que nada! – desdenhou Mariozinho – vocês é que são uns cagões.

- Fica na tua, meu chapa! – foi discordando Caco de Mariozinho - você não tá vendo a situação?

Silviola, ainda chateado com a esculhambação porque passara recentemente – não dizia palavra, só bebia e fumava seu Continental com cara de corno.

Acontece que Mariozinho quando teimava que tinha que zoar alguém não havia alma que o fizesse mudar de rumo.

Foi que foi até conseguir o seu intento.

Chamou o Ananias, garçom do pedaço, e solicitou:

- Tá vendo aquele polícia do DOPS mal encarado ali?

- Tô, seu Mário. É o Dutra.

- Pois vai lá e diz pra ele que tem um irmão do Carlos Marighella aqui nessa birosca querendo tirar satisfação com ele.

Ernesto interrompeu:

- Mário, ficou maluco, caralho?

Caco se alterou:

- Putz, tu só faz merda!

Silviola balançava a cabeça, deprimido.

Apesar dos protestos, lá se foi o Ananias dar o recado ao meganha.

Meio minuto depois, o investigador veio até a mesa de Mariozinho.

- Quem é o parente do Marighella que quer tirar satisfação comigo aqui? – perguntou em tom sorumbático.

Mariozinho soltou sua mais histriônica gargalhada e, ainda de dentadura arreganhada, respondeu:

- Sempre alerta, hein, oficial? Isso é que é amor à pátria! Mas fique sossegado que não sou nem de longe aparentado do temível terrorista…

O tenente Dutra literalmente ferveu. As bochechas ficaram tintas. Saiu dali feito um jato, passou batido pela mesa dos outros agentes indo até o banheiro lavar o rosto.

Voltou minutos depois direto a Mariozinho, que ainda ria desbragadamente do trote aplicado.

- Escuta uma coisa, cidadão.

- Sou todo ouvidos, oficial.

- O senhor me ofendeu. Pior, me ofendeu na frente dos meus colegas. Não admito que façam uma coisa dessas. Por isso, eu vou sair aqui do bar e ficar ali fora, na calçada. Quando o senhor sair, eu vou lhe matar. M-a-t-a-r, entendeu?

E saiu para a rua, se encostando num poste diante do boteco de sempre.

Ernesto entrou em desespero.

- Olha aí! Não falei que ia dar merda! Puta que o pariu, o torturador vai te matar, bicho!!!

O próprio Mariozinho não estava mais aquela segurança toda.

Acinzentara-se. Ostentava um meio sorriso. Um ar de perplexidade formara-se logo após a fala de Dutra.

Por causa do descompasso daquele que sempre trazia o melhor da irreverência nos genes, Caco, que era o mais ponderado do quarteto, acabou se amofinando.

No entanto, como também era o mais diplomáticio, decidiu, num supetão, ir até a mesa dos “hômi”.

Era abrir um canal de comunicação ou a morte.

- Prazer, Carlos Henrique, Caco. Somos redatores aqui de uma empresa de relações públicas e…

- Você então é chegado do cara que fudeu o Dutra?

- Bom, a gente…

- Olha, vocês entraram numa enrascada. O Dutra é pinéu.

- Como assim?

- É doido. Já foi inclusive afastado do serviço militar por causa dessas animalidades dele. Mata gente do nada, horror, horror…

Eles falavam e o Dutra lá de pé, esperando o Mariozinho na rua. Caco gaguejava de nervoso.

- Ma-ma-mas…

- ….quando o Dutra encasqüeta é dureza. Olha lá ele de tocaia na calçada. Teu amigo tá funhanhado.

Caco voltou lívido à mesa. Os três remanescentes permaneciam em silêncio sepucral. As batatas inglesas intactas no pratinho.

- Os milicos disseram que o tal do Dutra é psicopata…

Silviola deu um salto e saiu porta fora sem dar até logo a ninguém.

Diante da dura realidade, o próprio autor da pantomima, pela primeira vez, demonstrou fraqueza (e não há nada pior do que um bandalho mostrar seu lado frágil).

Pediu apoio:

- E se um de vocês fosse lá falar com o cara, dizer que não foi minha intenção…

Ernesto e Caco tomaram um grande gole de Brahma e foram.

Voltaram com uma meia solução.

- O Dutra continua lá de prontidão, no poste. Depois de muito suor falou que só não te mata agora, se tu for no DOPS, amanhã bem cedo, pedir desculpas publicamente pra ele e pros amigos da Repartição – conclamou o trio, escabriado.

Dito e feito.

Manhãzinha seguinte, compenetrado, Mariozinho baixou no DOPS.

Foi direto e reto à mesa do Dutra. Em voz alta e bem definida, decretou o pedido oficial de escusas.

- Peço-lhe minhas sinceras desculpas, oficial Dutra, pela minha brincadeira de mau gosto.

- Tá desculpado, seu covarde de merda! – bradou orgulhoso o militar, para que todo mundo na Seção ouvisse e guardasse.

Mariozionho virou-se na direção da saída.

Deu alguns poucos passos, mas decidiu parar e voltar, como se tivesse esquecido de dizer algo.

Enfiou a mão debaixo de uma axila, fez um movimento com o ombro que provocou um som de flatulência e gritou mais alto ainda que o oficial:

- Pernacchiaaaaaa!!!!!



Escrito por C. Castelo às 23h56
[] [envie esta mensagem
]



[ Ver arquivos anteriores ]